Campeonato Nacional de Quiz 2017 - Balanço

2018

Dezembro

2017
2016
2015

Terminado o Campeonato Nacional de Quiz é altura de fazer um balanço das coisas que correram bem, das coisas que correram mal e do que deve ser alterado.

Participação

Em termos de participação de quizeiros temos de ficar muito satisfeitos com a participação que tivemos nos Campeonatos de pares e individual. Participaram 28 pares (mais 5 que no ano passado) e 42 pessoas no quiz individual (mais 6 que no ano passado), o que é muito bom tendo em conta que não existe muita cultura de quizzes deste formato em Portugal. A participação no evento especial manteve-se semelhante às edições anteriores, culpa também do dia e hora em que foi realizado. Já a prova de equipas teve apenas 10 participantes, a menor participação de sempre e bastante aquém das 23 equipas presentes em 2015. Tivemos uma equipa que se deslocou do Porto (bastante positivo), no entanto, este ano não foi possível contar com a habitual participação de uma equipa de Coimbra.

Esta baixa de participação parece dever-se a vários factores:
- este ano houve menor promoção do evento;
- o local para o evento foi escolhido tardiamente;
- as inscrições foram abertas a poucas semanas do evento;
- o campeonato joga-se num fim-de-semana, o que requer bastante tempo disponível para jogar. Muitos jogadores optaram por jogar apenas no primeiro dia.

É possível que no próximo ano optemos por fazer os dois dias do evento em fins-de-semana diferentes, provavelmente, até em meses diferentes.

Formato

O formato dos quizzes de pares e individual parece-me o ideal para este tipo de competição, é também o formato usado nos Campeonatos da Europa. O formato do campeonato de equipas é longo e diversificado, não existe outra prova de equipas semelhante a esta nos quizzes nacionais.Talvez tenha pontos a alterar, mas, a meu ver, não deve ficar mais curto. Não concordo em fazer deslocar equipas de outras partes do país para apresentar uma versão mais pequena do quiz. O preço para um quiz com este tamanho não é excessivo, até porque se paga mais por quizzes de envergadura menor noutros locais.

Local

O local de realização do quiz é uma das questões mais complicadas, há a dualidade entre descentralização e participação. Este problema está solucionado nas provas de pares e individual desde o ano passado com a abertura de vários locais para a realização do primeiro dia de competição. Quanto à prova de equipas, normalmente, a participação baixa quando a prova se realiza fora de Lisboa, o que traz custos para a organização. Este ano não sucedeu nesse sentido (de aumento de equipas em Lisboa) devido aos problemas apresentados anteriormente. No entanto, o país não é assim tão grande que um evento como este não mereça uma deslocação fora de Lisboa.

Não coloco a hipótese de abrir vários locais simultâneos para a realização da prova de equipas. Se é tão difícil arranjar uma pessoa para, nos quizzes do primeiro dia, tirar cópias para esses locais, mais difícil será arranjar quem vá apresentar os quizzes de equipas. Além de acartar custos acrescidos. Sabendo até que haverá a possibilidade de se estar a apresentar quizzes para 1 ou 2 equipas. A prova de equipas deve ser um convívio entre as equipas de todo o país, logo faz sentido realizar-se num único local.

Quizzes

Este ano os quizzes apresentados continham vários problemas:
- algumas perguntas saíram em vários quizzes;
- uma pergunta saiu duas vezes no mesmo quiz;
- alguns sub-sub-temas surgiram várias vezes (sericaia, Channel, Alfa Romeo, General Motors, Museu Soares dos Reis...);
- houve sub-temas demasiado repetidos (por exemplo: carros e museus)
- a divisão temática pedida pela organização não foi respeitada pelos Quiz Masters;
- os quizzes não tinham perguntas de alguns sub-temas (o mais notório terá sido a ausência de cinema e TV no quiz individual, também destaco a ausência de perguntas de ciências sociais);
- os quizzes de pares e individual não tinham perguntas de desempate preparadas;
- havia perguntas que não se fazem neste tipo de quizzes, refiro-me especialmente às perguntas para dizer números (quase) aleatórios e de resposta impossível (por exemplo: extensão do metro de Lisboa) ou que requerem tempo que não existe nestes quizzes (por exemplo: número de estações do metro de Lisboa);
- muitas perguntas tinham resposta errada ou resposta dúbia. Foi necessário improvisação da organização para colmatar este erro.

Este ano foram escolhidas 3 pessoas para elaborar os quizzes do Campeonato, 1 com muita experiência, 2 com pouca experiência neste tipo de eventos. Por isso foi-lhes enviadas uma série de linhas de orientação, os quizzes dos anos anteriores e colocámo-los em contacto uns com os outros. Foi pedido a jogadores experientes que não jogariam o Campeonato que verificassem as perguntas.

O que terá falhado:
- inexperiência dos QM;
- a comunicação entre os QM foi quase inexistente;
- a comunicação entre os QM e a organização (e vice-versa) falhou;
- erros apontados às perguntas, por parte dos verificadores, não foram corrigidos;
- os quizzes não estavam preparados em tempo útil para correcta verificação.

Organização

Além da responsabilidade em todos os outros aspectos, destaco ainda o facto de 2 jogadores terem de repartir o enunciado da prova individual, visto não haver impressões suficientes.

Este último problema relembra-nos o porquê de ser importante as pessoas inscreverem-se nas provas. Nós não vamos impedir ninguém de jogar (dentro do possível), mas precisamos das inscrições para termos controlados estes factores logísticos.

Quiz Masters

Um dos principais problemas é encontrar QM experientes para fazer um evento como este. Todos os jogadores que participam em provas internacionais querem jogar no evento e são esses que têm mais experiência em quizzes do género. A prova não deve ser deixada apenas ao cuidado de uma pessoa, corre-se o risco de ter um quiz pouco variado. Este ano mesmo com pessoas indicadas para a verificação das perguntas não foi possível evitar os erros e a pouca variedade temática.

Conhecemos alguns QM internacionais com muita experiência. Será que devemos contratá-los e pedir a alguém que traduza as perguntas? 
Ao contratá-los não é possível que tenham sensibilidade suficiente para fazer perguntas de carácter nacional. Contratamos também uma pessoa para fazer uma pequena parte de cariz nacional?
Como seria com a prova de equipas? E a apresentação da mesma?

Deixo estes temas abertos a discussão por parte dos quizeiros nacionais. Queremos a maior diversidade de opiniões para chegarmos às melhores soluções possíveis.