Entrevista a André Ascensão - Os Cavaleiros Que Dizem Ni

2018

Dezembro

2017
2016
2015

Os Cavaleiros Que Dizem Ni, estrearam-se no Campeonato de Cascata há cerca de ano e meio, acabaram de terminar o seu primeiro campeonato completo e já têm a responsabilidade de organizar a primeira jornada do campeonato de 2016. A jornada que marcará a primeira impressão para as equipas que se vão estrear. Fomos tentar saber o que esperar do primeiro quiz do ano. Contactámos André Ascensão, o líder histórico da equipa, antes que ele começasse a dizer "Ekke Ekke Ekke Ekke Ptang Zoo Boing!".


Quiz Portugal: São uma equipa relativamente recente no Campeonato de Quiz de Cascata e vão organizar o vosso primeiro jogo com este nível de exigência, sentiram-se preparados para o desafio?

André Ascensão: Já estávamos de sobreaviso para esta possibilidade pelo que nos preparámos com alguma antecedência. A minha ideia de como deve ser feito um jogo deste género já estava bem definida e ajudou bastante a agilizar a preparação do mesmo pela equipa. Todas as equipas terão uma directa de um tema diferente em cada nível, não haverão cascatas temáticas nem perguntas com piadolas.


QP: Qual foi a maior dificuldade que enfrentaram?

AA: A maior dificuldade foi, sem dúvida, o nivelamento das perguntas. É neste ponto que as coisas podem correr mal com mais facilidade visto a dificuldade de uma pergunta ser altamente subjectiva. Tenho algum receio que possamos ter feito um quiz demasiado fácil no nível 1, por exemplo.

QP: Vão ter inovações?
 
AA: Vamos! Se tudo correr bem (e o projector deixar...), as equipas vão poder acompanhar a sua classificação ao vivo sem ter de apontar e fazer contas de somar... Espero que assim todos os elementos das equipas se possam concentrar apenas no que é realmente importante: responder às perguntas.

QP: O que farias para melhorar este campeonato?

AA: Acho que o campeonato não é aliciante para equipas novas e menos experientes. Essas equipas que tendencialmente nem passam do nível 1 deparam-se com um quiz demasiado curto para o dinheiro que pagam. A minha ideia seria claramente alongar o nível 1 e 2 para 8 cascatas e eliminar o nível 3. Isto permitia às equipas mais inexperientes poderem jogar mais duas cascatas sem sobrecarregar a equipa organizadora com a realização de muito mais perguntas.

Também não veria com maus olhos a definição de um modelo de cascata com temas a respeitar para que os jogos não sejam demasiado diferentes de equipa para equipa. Deixando, claro, os Ursinho Bobó fora desta regra. Sou fã dos jogos deles! Mas só um por ano...

QP: Depois de na vossa primeira época completa terem terminado em 12º lugar, o que ambicionam para este ano?
 
AA: Gostava de conseguir passar sempre ao nível 2 mas sei que, comigo na equipa, isto pode ir logo por água abaixo em Fevereiro. Sou um campeão em tiros ao lado e na má leitura das perguntas.

QP: Qual é até agora a história de que guardas melhores recordações no Campeonato de Quiz de Cascata?
 
AA: Responder Sérgio Godinho quando estava lá uma foto do Obama? O anúncio de que o Sócrates tinha acabado de ser detido? Mas lembro-me com particular carinho de uma pergunta que, no nível 3, varreu quase a sala toda. Era algo do tipo "Como se chama o segundo dos dois livros bíblicos de Samuel?" e nós, já completamente descrentes, respondemos "Segundo Livro de Samuel". Estava certo! Acho que ficámos em último na mesma mas demos umas boas gargalhadas.

QP: Que quizzes gostas mais de jogar?
 
AA: Desde que o quiz seja bem feito, não me nego a jogar nenhum tipo de quiz. A prova disso é quase todas as semanas jogo pelo menos uma cascata, um quiz de bar, alguns quizzes individuais, etc. Acho que fazem falta mais quizzes com o formato Dupla Letra. É um formato que tem muitos fãs dentro dos jogadores mais inexperientes mas que são muito raros.

QP: Se tivesses um bastão de beisebol e um cartão "livre da cadeia" para usar uma vez, que situação num quiz mais te levaria a usar uma combinação das duas?
 
AA: Não usaria em nenhuma situação. Gosto de uma boa discussão mas sem partir nunca para a violência. Mas se querem saber o que mais me chateia em quizzes posso responder: batota.

QP: O que ainda falta fazer no Quiz em Portugal?
 
AA: Principalmente divulgar mais a modalidade. Há por aí potenciais jogadores a rodos que nem fazem ideia da existência disto. Um exemplo foi o campeonato nacional, o facto de ter sido feita publicidade em faculdades trouxe logo alguns jogadores que nunca tinha visto em quiz nenhum. Provavelmente os Mamedes deixavam de ganhar isto com tanta facilidade...