Entrevista ao campeão nacional: Rodrigo Castro

2018

Dezembro

2017
2016
2015

Depois do Campeonato Nacional, naturalmente, fomos entrevistar o Campeão Nacional, Rodrigo Castro. Venceu todas as competições do campeonato nacional, inclusive a prova especial. Fez parelha com a sua Zoe na prova de pares e jogou nos O Picante do Fred na prova de equipas. Após o Campeonato Nacional teve uma prestação brilhante no Campeonato Europeu, a melhor de sempre de um jogador nacional. Era já conhecido nos quizzes de Lisboa como o melhor jogador nacional, mostrava-o nas competições internacionais, mas finalmente teve oportunidade de ficar com esse registo oficialmente.

Equipas:
O Picante do Fred - no Campeonato Nacional e no Campeonato de Cascata da Guilherme Cossoul
Ex-Cavaleiros - Campeonato de Quiz de Cascata
Sem Stress - Campeonato de Cascata do Estado d'Alma

QM ocasional:
O'Gillins Irish Pub

Lisboeta, Oficial da Marinha especializado em Mergulhador, hoje é o seu 46º aniversário. Juntem-se a nós a desejar-lhe felicidades. Podem ainda comparecer no seu Quiz de aniversário no bar irlandês O'Gillins, no Cais do Sodré às 20:00 de hoje.


Onde e quando começaste a jogar Quiz?

Comecei no pub irlandês O'Gilins, no Cais do Sodré, em 2001, por sugestão do meu irmão, que já lá ia há algum tempo. Tanto quanto sei, foi o primeiro local a acolher quizzes de bar em Lisboa. Durante muitos anos apenas joguei aí, com amigos ingleses.

Quanto a quizzes em português, fui um par de vezes ao Quiz Bar do Júlio Alves (onde cheguei a apanhar o João Silva ainda de bigode) e mais tarde fui algumas vezes ao Cinearte, também com o Júlio. Só comecei a frequentar os quizzes portugueses de forma regular há cerca de 4 anos. Continuo a ir ao Gilins e ocasionalmente também faço uma perninha como apresentador.
Venceste todas as competições do Campeonato Nacional, era algo que estivesses à espera?

Sinceramente, não. Tinha a noção de que teria hipóteses de um bom resultado, mas a verdade é que, embora conhecesse muitos dos quizeiros em competição, não sabia quem mais iria aparecer. Como já disse uma vez, tenho a certeza de que há muito talento "quizista" em Portugal à espera de se revelar.  

As competições de pares e individual correram de facto muito bem, mas a vitória nos pares rápidos foi decidida apenas por desempate administrativo, o que poderá ter sido injusto para com o Alexandre Gonçalves. 
A competição de equipas foi, de facto, renhida; ganhámos apenas na última fase - cascata. (Pergunto-me se o formato cascata deverá ser utilizado num campeonato nacional, pois embora seja mais divertido e competitivo, o factor sorte tem nele um peso bastante maior, acabando por ser inevitavelmente mais injusto). Seja como for, ter ganho todos os torneios foi inesperado. E um pouco assustador também.

Que impressão te deixou este primeiro Campeonato Nacional? Aspectos positivos e negativos.

Em primeiro lugar, fiquei impressionado com a afluência de pessoal, que foi maior do que estava inicialmente à espera, e isso é, sem dúvida, positivo. Penso que, no geral, em termos organizativos, a coisa correu bem, embora ainda hajam algumas arestas por limar, como é natural. O "catering" de bebidas (e snacks) tem de ser destacado, pois é uma componente importante de qualquer torneio de quiz que se preze. O Salão Nobre do IST mostrou-se um espaço muito digno e apropriado para receber este evento.

Já tive oportunidade de dar o meu "feedback" através do formulário que vocês enviaram aos participantes, mas gostava de destacar alguns pontos: a necessidade de ter uma maior percentagem de perguntas de temática portuguesa, a necessidade de ter uma maior variedade de temas abordados (num quiz TUDO pode ser perguntado), necessidade de maior equilíbrio de temas e de dificuldade (sempre a parte mais difícil da elaboração de um quiz), e inclusão de imagens e som nos quizzes individual e de pares.
Aproveito para vos dar os parabéns (Paulo, André e Andreia) pela excelente iniciativa e espero que futuramente este evento possa crescer e assumir uma dimensão verdadeiramente nacional.

Estás uns níveis à frente de todos os outros jogadores nacionais, como conseguiste isso? (Treino? Dieta? Suplemento de memória?)

Além de uma boa dose de sorte nos palpites, que dá sempre jeito, convém estar "bem dormido e bem comido", mas não demais. Pessoalmente, penso que o melhor treino é praticar, fazendo quizzes, sejam de bar ou de cascata, quizzes online ou de papel e lápis, fazer palavras cruzadas ou outros puzzles também ajuda a lubrificar os neurónios. Sobretudo, deve manter-se uma permanente curiosidade sobre todas as coisas e procurar sempre saber mais, que é, no fundo, o que faz um bom quizzer. Pode, evidentemente, estudar-se determinado assunto mais a fundo e até memorizar-se listas de factos mas só faço isso ocasionalmente. As mnemónicas também podem ser bastante úteis e, por vezes, recorro a elas. Refiro, no entanto, a título de curiosidade, que o campeoníssimo Kevin Ashman de Inglaterra diz que nunca se serve de mnemónicas, "apenas" se lembra das coisas - ou seja, tem um sistema de arquivo cerebral de ficheiros altamente eficiente (e bem recheado).


O que ainda pretendes conquistar no Quiz?
 
Gostava de ganhar o malfadado Campeonato de Cascata da Ajuda, mas sinceramente parece-me uma missão (quase) impossível. Já o Campeonato do Estado d'Alma parece mais ao nosso alcance, embora este ano, a uma prova do fim, as coisas se tenham complicado bastante. De resto, quero sempre fazer o melhor possível, e, quiçá, ganhar mais qualquer coisa.

O que ainda mudavas no Quiz em Portugal?

Relativamente aos quizzes de bar, gostava de ver mais formatos de quiz a serem usados, não apenas as 50-60 perguntas da praxe ou chamado formato "irish" (que na realidade é inglês) com rounds temáticos. Sei que isso já tem sido feito e é algo deve ser estimulado. Apenas como exemplo, lembro-me de, há muitos anos, jogar um quiz em Inglaterra com formato "Bingo" - cada pergunta era um número - e o prémio era um barril de cerveja, o que deve ser provavelmente o melhor prémio de sempre.


Depois da boa prestação no Campeonato Europeu este ano, quais são as tuas ambições para as Olimpíadas do próximo? Apenas participar já será bom? 

A minha ambição é só uma: fazer melhor, tanto em termos de classificação geral como de percentagem de respostas correctas. Participar neste evento internacional - as primeiras Olimpíadas de Quiz de sempre - será obviamente uma grande honra. Aproveito para desafiar todos a participar. Quantos mais, melhor será.


O que nos faz ainda estar longe dos melhores da Europa?

É difícil responder a isso. Muitos dos melhores jogadores europeus são quizzers profissionais ou semi-profissionais, fazendo do quiz a sua principal fonte de rendimento - seja como participantes regulares em concursos televisivos - como os Eggheads ou The Chase no Reino Unido - ou mesmo como autores de perguntas para esses mesmos programas. A cultura quizística nesses países é muito forte e já tem muitos anos e muita tradição. 

Em Portugal ainda é um fenómeno relativamente novo, mas tem sofrido uma grande evolução nos últimos anos. Penso que, além da expansão e maior divulgação do quiz em Portugal, seria importante ter uma maior participação nacional nos torneios internacionais - tanto no Campeonato Europeu (mais difícil por ser num único local e implicar grandes dispêndios) ou no Campeonato Mundial (mais acessível a todos por poder ser feito à distância em vários locais simultaneamente). Pessoalmente, estas experiências têm-me ensinado bastante e permitido evoluir como quizzer.
Arrisco-me a acrescentar que quanto mais o campeonato nacional se assemelhar a estes campeonatos internacionais em termos de formato, melhor preparação poderemos ter.

Em que tipo de concurso de Quiz televisivo gostarias de participar? Qual o aliciante desse formato?

Não sei se gostaria de participar num quiz televisivo, pelo menos naqueles que actualmente existem. Já várias vezes me têm desafiado a participar mas a verdade é que não sinto grande motivação para tal, embora os prémios monetários sejam potencialmente bastante aliciantes. Talvez seja o formato dos programas aliado ao facto de serem jogos a (muito) dinheiro que me intimida. Pessoalmente preferia participar em algo de formato britânico (para variar) como o University Challenge (equipas de 4) ou até os Eggheads. Mas, enfim, nunca digas nunca.