Entrevista a Sérgio Costa - Espertalhos do Roger

2018

Dezembro

2017
2016
2015

Começaram como Leporinos, passaram a Espertalhos do Carinho e são agora os Espertalhos do Roger, já foram campeões, no emocionante campeonato de 2011, na próxima sexta-feira vão apresentar a 8ª jornada do Campeonato de Quiz de Cascata. Foi esta a razão que nos levou a falar com o Sérgio Costa, um homem com ideias inovadoras para o Quiz de Cascata.

O Campeonato de Quiz de Cascata terá pela segunda jornada consecutiva como local do evento a Sociedade Musical de Instrução Libertada, no nº 51 da Calçada do Galvão em Belém.


Deu muito trabalho a elaboração deste Quiz ou depois de tantos anos a máquina já está bem oleada?

É sempre um misto, por um lado o facto de já termos alguma experiência faz com que saibamos como é suposto fazer as coisas, os timings, os nivelamentos e a tentativa de ser um jogo interessante é algo sempre presente, do primeiro ao último nível. Por outro lado, há sempre coisas que ficam para o fim, há sempre ajustes que queremos fazer e há sempre alguém que à última hora lança algumas dúvidas e lá temos que resolver as coisas em combates de vale tudo, em que o último que se aguente em pé é considerado o dono da razão.


Teremos perguntas como "de onde vêm os extraterrestres mais tristes"?

Não queremos dar margem para (mais) teorias da conspiração, por isso vamos evitar temáticas problemáticas. Ainda assim, teremos perguntas sobre números de sapatos de jogadores na NBA já falecidos, muita poesia lírica dos Cárpatos e alguma engenharia mecânica de elevadores. Ainda estamos em dúvida sobre se avança a cascata com grupos de rancho cantados ou se ‘Sinais secretos da Sociedade de Inquizzidores’ será algo mais popular.


Quando apresentas o Quiz, qual é o quizeiro de que tens mais medo (por ser um grande chato)?

Medo, medo não será propriamente a questão. Aliás, acho até divertido ver como as pessoas no calor do jogo revelam talentos e capacidades escondidas, seja histerismo infantil, teoriadaconspicionite, calimerização ou álcoolera generalizada. Mas tambémJá vi gente cheia de certezas depois do jogo vir dar a mão à palmatória, assim como já fomos nós a reconhecer aspectos em que as coisas correram menos bem, acho que faz parte do jogo. Além disso, a postura de quem conduz também pode às vezes contribuir para ajudar a desarmadilhar (ou a incendiar) certas reacções.

Seja como for, como já fiz referência, visto o jogo ser novamente no recinto de Julho, para além do Chicken Eye, vamos ter o Larry Bird’s Eye, em que estou disposto a resolver contendas em jogos de basket de 1vs1 na tabela do pátio.


Quais são as expectativas da tua equipa para o que falta do campeonato? Ganhar o campeonato por um ponto na última jornada para manter a emoção?

Hmmm, já fizemos isso, com o extra de ter sido na penúltima pergunta do jogo (Edifício Metlife forever), portanto teríamos que ter algum aditivo emocional para superar isso. É certo que gostávamos de ganhar mais um para dedicar ao Rogério mas não me preocupa se é esta época ou não, acima de tudo, queremos continuar a fazer da cascata um encontro de amigos, mais do que simplesmente um grupo de gajos a tentar responder de forma infalível.


O que é que ainda gostavas de ver acontecer numa jornada do Quiz de Cascata?

Tudo o que for inusitado será sempre de valor ao nível do evento social, seja pancadaria, cascata nudista ou, cada vez que uma directa fosse errada a equipa toda fosse obrigada a beber um shot de Vat69.

Mas, fora desse âmbito posso sugerir duas coisas: instituir uma cascata temática Agnelo Monteiro (vá, pode ser só o nome da secção das perguntas de música na parte escrita) para dignificar essa grande ícone da música luso-indiana e dos presépios.

Dois – Um programa de televisão tipo ‘Dia Seguinte’ com a análise da jornada, acima de tudo só para ver como certas coisas do jogo ficariam se fossem filmadas.


Se fosses entregar uma pizza ao "engenheiro" José Sócrates o que lhe perguntarias?

Importa-se de pagar adiantado?