Entrevista a Bruno Fernandes - Quiz Master

2018

Dezembro

2017
2016
2015

Amigo do seu amigo, o Bruno Fernandes faz parte da equipa de Quiz Masters que organiza o quiz do Aqui Base Tango em Coimbra, entretanto, já conseguiu o seu spin-off e levou o quiz para Ceira - é de louvar a divulgação do quiz em meios mais pequenos. Fez parte da equipa de Quiz Masters de Coimbra que disputou o Campeonato Nacional, com o nome de Liga da Justiça - Centro, classificando-se num brilhante terceiro lugar. Fomos falar com ele para saber mais sobre a actividade quizística de Coimbra.

 


Como e quando começaste nos quizzes?

Já tinha estado nalguns quizzes de outro tipo, realizados em bares. Mas neste formato, foi acidentalmente, num café de Coimbra chamado Chimico. Eu e uns amigos tínhamos ido tomar café e nessa noite, havia quiz. Tivemos sorte de principiante e ganhámos. A partir daí, tentei sempre saber onde se ia realizando, até ter perdido um pouco o rasto. Mas há pouco mais de um ano, descobri que se realizava no local actual, o Aqui Base Tango. Novamente, sorte de principiante e ganhei, com um amigo que tinha ido. :D


O que te levou a ser um dos organizadores do Quiz do Aqui Base Tango?

Tive algumas vitórias em quizzes posteriores e quando o quizmaster fixo de Coimbra, o João Torgal, se viu obrigado a abandonar o posto regular (ele apresenta uma vez por festa ainda), um habitual participante, o João Moreira, contactou alguns habitués que costumavam ganhar para formar uma equipa de quizmasters. Essa equipa mantém-se de há pouco mais de um ano. Eu entrei um pouco porque tenho uma boa cultura geral e com o tempo, penseo que me fui ajeitando a fazer quizzes que não afugentassem as pessoas. Tento sempre englobar perguntas relacionadas com Portugal e com audovisual, que é, aliás, o meu formato preferido.


Costumas jogar os quizzes dos outros QM de Coimbra? Tens coragem/descaramento para escolher um preferido?

Costumo pois, se queremos participar temos mesmo de fazê-lo. :D Não tenho nenhum preferido, embora os estilos sejam bem diferenciáveis. O João Moreira gosta de ir buscar coisas curiosas, mesmo que não sejam do conhecimento geral; o Carlos Ramos prefere fazer quizzes mais abertos e inclusivos; o José Rebola prefere inventar formatos de perguntas e formatos de quizzes, é criativo nesse aspecto. De uma maneira ou de outra, acho todos os estilos divertidos e bem interessantes, e isso acaba sempre por influenciar e melhorar aqueles que faço.


Qual é a participação normal nos vossos quizzes?

Penso que temos uma média de 30, 35 pessoas. Em dias bons durante o Inverno, já chegámos às 50. No Verão, porque usamos um espaço exterior mais amplo, conseguimos chegar aos 60, 70 participantes


Também já organizas quiz numa Associação Recreativa de uma pequena localidade, como é que isso aconteceu? Está a correr bem?

Na verdade, nem estava à espera. É a primeira vez que se faz algo do género na minha terra. Conheço a maior parte da direcção da Associação de Ceira (a minha terra) e numa conversa, foi-me proposto experimentar a ver se pegava. E pegou. A participação regular é entre os 15 e os 20 participantes, o que é bom, pelo menos para mim. Os fiéis vêm sempre,e o que significa que a adesão de deverá manter. Depois de duas séries, uma com 4 e outra com 8, onde fizemos um campeonato de regularidade, vamos começar no dia 10 a terceira temporada, sem saber bem com quantas edições. Mas os participantes gostam e pedem sempre para que o quiz volte.


No ano passado foste ao Campeonato Nacional com os outros Quiz Masters de Coimbra, fizeram uma super-equipa de Coimbra para participar?

Não foi bem uma super-equipa. A questão é que temos um acordo de cavalheiros em Coimbra: nunca jogamos juntos, de maneira alguma. Temos os 4 equipas diferentes e assim jogamos. É essencial para mantermos as coisas equilibradas, porque somos todos bons jogadores. Felizmente, o nosso antecessor e mestre, João Torgal, estava também disponível e pudemos assim fazer algo que habitualmente é impossível: jogarmos juntos. Foi mais com essa intenção que fomos, nem íamos tanto para vencer.


Como correu a experiência? Ficaram no terceiro lugar, soube a pouco ou excedeu as expectativas?

Excedeu claramente as expectativas. Quando fizemos o quiz de teste que nos foi enviado, entrámos um pouco em pânico, pois o tipo de conhecimento pedido era muito diferente dos quizzes aqui de Coimbra. Felizmente que o quiz real era mais fácil e acabámos por nos dar bem. Contávamos ficar talvez no top 10, no máximo, e acabámos em terceiro, acabando a primeira fase em primeiro. Foi um excelente resultado.


Sei que nem tudo te agradou no Campeonato, contas voltar a participar neste tipo de eventos?

O que não me agradou foi a forma como está organizada a fase de cascata. Aliás, eu não gosto de cascatas, aqui em Coimbra deixámos de fazê-las porque são bastante injustas para provas de regularidade. Mas conto participar em mais eventos, principalmente com a minha equipa habitual, e estamos a pensar já em tomar parte de alguns que foram já anunciados.


O que achas que ainda pode melhorar no quiz em Coimbra? E em Portugal?

Em Coimbra, notamos que o quiz está a tornar-se mais popular. O nossos clientes fixos semanais têm aumentado e neste momento, penso que o evento no bar onde é realizado está a chegar a um certo ponto rebuçado. Há sempre coisas que se podem melhorar, dentro das disponibilidades do local, mas têm-nos sido oferecidas boas condições. Em Coimbra, talvez falte a projecção do quiz noutros locais. Creio que chegando a um público maior, teríamos sucesso maior. Acho que o nosso núcleo de 4 + 1 tem feito quizzes interessantes e há uma boa relação entre os 4, o que permite que a actividade se mantenha por cá. Em Portugal, não conheço muito a situação. Fiquei algo admirado por termos sido a única equipa não-lisboeta no Nacional e gostava muito de conhecer os quizmasters de outras cidades para saber como é que se desenvolvem quizzes para públicos diferentes. Acho que a apontar algo, é a falta de ligação e comunicação nacional entre todos. Se bem que concretizar isso é complicado. :)